The Truth's For Sale

o país do futebol

Posted in Jornalismo by Carlos Hentges on 30/08/2013

Somos o País do Futebol porque transformamos tudo em uma disputa de torcidas.

Durante o julgamento do Mensalão, havia os que defendiam fervorosamente a condenação de todos os acusados, independente da existência ou não de provas concretas. Aquela era uma oportunidade única para o tal efeito moralizante sobre a política.

Por outro lado, havia os que diziam que todo o julgamento era uma grande farsa, orquestrada por pessoas mais culpadas do que os acusados, com o objetivo de enfraquecer as bases do partido no poder em detrimento de sua oposição, podre até as bases e desde sempre envolvida em coisa muito pior.

Agora, temos a vinda de médicos cubanos.

De um lado, todos os que acreditam que eles irão contribuir para a saúde da população em locais que não despertaram o interesse dos médicos brasileiros, esses monstros sem amor à vida dos pobres, antes convocados a trabalhar em troca de generosos salários muito acima daqueles recebidos pela maior parte de nós.

Gritando de volta, os dispostos a usar a palavra “escravo” para defender a sua causa, dizendo que nem cubanos nem brasileiros serão capazes de exercer os preceitos de seus juramentos pela simples ausência de investimento do Estado e falta de condições de trabalho, já que nos rincões teremos cubanos, mas não teremos mercúrio cromo.

E o Facebook é a arquibancada onde as torcidas se encontram para brigar.

Prestassem atenção ao jogo, veriam que as pessoas que tomam decisões nesse país não sabem pra que serve o meio de campo, se contentando em dar bicos na direção do gol e esperando que um milagre aconteça ao acaso e nos salve todos.

Anúncios

Caso Ouro Preto – Sugestões de Leitura

Posted in Jornalismo, RPG by Carlos Hentges on 21/07/2009

Este é um blog sobre RPG. Ou melhor, um blog sobre as campanhas de RPG que crio ou das quais participo. Entretanto, gostaria de aproveitar o espaço para dar minha contribuição em relação ao chamado “Caso de Ouro Preto”.

São dois textos abordando aspectos diversos do homicídio ocorrido em 2001, seus desdobramentos diversos, indo até o recente julgamento, que absolveu todos os réus.

O Caso de Ouro Preto – Incompetência e Preconceito

Os erros no caso de Ouro Preto

Imagino que os dois digam muito a respeito de temas como Imprensa, Preconceito e Justiça. E suas contrapartes.

Cinema em 1 Minuto – Intrigas de Estado

Posted in Cinema, Jornalismo by Carlos Hentges on 09/07/2009

Intrigas de Estado – State of Play

State of PlayEm um momento em que o Jornalismo de um modo geral, e não apenas entre os jogadores de RPG, está em baixa, nada como um filme que mostra como as coisas deveriam ser. Desencadeada pela morte da assessora de um parlamentar, a história se transforma em uma convulsão que envolve questões do passado dos personagens, traição, conspiração corporativa e governamental, o período de transição (para pior) que atravessam os grandes veículos de comunicação e a busca pela dolorosa verdade. Ainda que contenha muita informação e as reviravoltas próprias dos thrillers, o roteiro é fácil de acompanhar e, em quase 100% do tempo, respeita a inteligência da platéia. Além disso, inúmeras referências estão jogadas para aqueles dispostos a estabelecer paralelos com o mundo real – Watergate, Blackwater, News Corp, Blogs vs. Imprensa etc. Trate-se de uma declaração de amor ao Jornalismo, o que, de certa forma, torna o filme um pouco triste, pois carrega a idealização do objeto da paixão, sempre uma imagem muito distante da que o cotidiano revela.

Fahrenheit 451

Posted in Jornalismo, Literatura by Carlos Hentges on 26/02/2009

Fahrenheit 451 foi escrito por Ray Bradbury e publicado originalmente em 1953. A obra trata da disposição da sociedade para eliminar os livros e seus efeitos sobre os cidadãos. Trata-se de uma distopia. A obra é complexa demais para o breve comentário que pretendo fazer aqui. Interessa, no momento, uma passagem a respeito da decadência social no ambiente fictício proposto pelo autor.

Em uma das passagens, o Capitão Beatty explica a Montag, o protagonista, que o lento e inexorável rebaixamento da literatura se deu para que as letras deixassem de ofender as pessoas. Uma obra era proibida para não atacar os homossexuais. Outra, por defender o ponto de vista dos heterossexuais. Uma terceira, porque ofendia determinada religião ou credo. E assim por diante, até sua total supressão.

Por que disso tudo? Porque hoje li isso, e me chamou atenção como previsões feitas há mais de cinqüenta anos podem concretizar-se se não dermos atenção aos indícios de seu avanço.

A Nobre Arte

Posted in Jornalismo, Literatura by Carlos Hentges on 04/11/2008

Jack London foi um grande fã de boxe, que ele chamava de “O Jogo”. Admitira diversas vezes não ter muita por-um-bifepegada, e por isso se especializara em esquivas e fintas. Dizem que em suas viagens, sempre que tinha a oportunidade, desafiava estranhos para uma troca amistosa de socos. Escreveu muito e bem sobre o tema. Claro que essa curiosidade literária de pouco vale para o Turismo Lado B, que calçou as luvas e entrou no ringue.

A primeira sensação é de ansiedade. Do outro lado do quadrilátero está uma pessoa que adentrou o ringue com a intenção de te derrubar a base de pancadas. Para um iniciante, encarar alguém mais experiente, rápido, forte e resistente é obviamente um aprendizado doloroso. Trata-se de um esporte onde, quando tudo dá certo, alguém sai machucado, afinal de contas. Antes do combate propriamente, melhor passar algumas informações.

(more…)

Tagged with: , ,

Denúncia da OAB não esgota o seu dever na defesa da República

Posted in Jornalismo by Carlos Hentges on 03/11/2008

Doutor em Ciência Política, o advogado Eduardo Dutra Aydos não tem dúvidas sobre a existência de evidências e razões para o processo do presidente da República por crimes de responsabilidade. Mais do que isso, dedicou-se à construção de um site na internet – http://www.causapublica.org – que se tornou um centro de referência para o debate e a construção de uma proposta interativa de impeachment.

A sua proposta é mais ampla. Projeta a necessidade de uma convergência de esforços, na rede virtual, em torno de causas essenciais para a defesa e a consolidação da democracia, como é o caso do resgate da segurança pública e jurídica e a realização da reforma política. Mas ele acredita que a seriedade e a eficácia destes projetos esbarram na necessidade mais imediata de uma solução honesta para a questão notória da corrupção sistêmica ainda impune no governo Lula.

(more…)

Literatura Comentada: Na Toca dos Leões

Posted in Jornalismo, Literatura by Carlos Hentges on 28/10/2008

Na Toca dos Leões trata da história da W/Brasil, “a agência de publicidade mais premiada do Brasil”, e de seu principal sócio e motor criativo, Washington Olivetto. Escrito por Fernando Morais, o livro cobre o período até a conclusão do seqüestro de Olivetto, em 2002.

A obra, porém, pode decepcionar quem procura um material que aprofunde a história da publicidade no país. Ainda que nomes conhecidos circulem pelas páginas, é a W/Brasil e seu proprietário mais famoso o foco de atenção.

(more…)

Literatura Copiada: Reino do Medo

Posted in Jornalismo, Literatura by Carlos Hentges on 28/10/2008

Reino do Medo
Hunter S. Thompson

A liberdade é passado neste país (Estados Unidos). Seu valor foi rebaixado. A única liberdade que realmente almejamos hoje é nos livrar da Burrice. Nada mais importa.

No fim das contas, as únicas coisas pelas quais acabei preso foram coisas que não fiz. Todos os “crimes” que realmente cometi foram coisas que, em geral, acontecem por acidente. Toda a vez que me pegaram foi por eu estar no lugar errado e entusiasmado demais. E, de acordo com a opinião geral, eu não deveria ter o direito de sair impune.

Eu era o famigerado autor mais vendido de livros estranhos e brutais e também um colunista de jornal amplamente temido com várias intenções políticas distintas e muitos amigos influentes no governo, nos órgãos da lei e nos círculos sócio-políticos. Eu também era bêbado, louco e vivia armado até os dentes.

London em Londres V – Conclusão e Bibliografia

Posted in Jornalismo, Literatura by Carlos Hentges on 17/06/2008

Não se tem notícia, além das críticas positivas recebidas por Jack London após a publicação de O Povo do Abismo, sobre a maneira como a obra, isoladamente, afetou seus leitores. Certamente afetou o autor, pois deu início a uma escalada que culminaria em títulos como O Tacão de Ferro e Martin Éden, todos impregnados de forte crítica social, amparadas na sua crença a respeito do aprimoramento da sociedade através da aplicação dos preceitos marxistas do Socialismo.

Jack London foi um combatente que saiu da miséria para transformar-se no escritor mais lido e bem pago de sua época. Ainda que, segundo críticos, tenha sido o primeiro exemplar de autor norte-americano a verdadeiramente conhecer os caminhos para a criação de um mito em torno de sua pessoa, é certo que viveu diversas vidas no período de uma única e breve existência. Teve tempo, inclusive, para deixar de ser um socialista, seis meses antes de sua morte. Alegou que o Partido havia perdido sua capacidade de ênfase na importância da manutenção da luta de classes.

(more…)

London em Londres IV – O Desafio à Espiral do Silêncio

Posted in Jornalismo, Literatura by Carlos Hentges on 13/06/2008

Nascida na Alemanha em 1916, Elisabeth Noelle-Neumann especializou-se em demoscopia, isto é, na pesquisa da opinião pública sob organização científica. A partir dos anos 50, ela começou a se interessar pela relação entre imprensa e opinião pública.

Uma de suas primeiras pesquisas apontava que a auto-estima dos alemães diminuía à medida que a mídia fazia mais referências negativas ao povo. A pesquisadora começou a basear seus estudos em uma outra hipótese já existente, a da Agenda Setting, segundo a qual “a imprensa teria o poder de determinar os assuntos principais da população, através da divulgação repetitiva de artigos e notícias sobre certos temas” (HOHLFELDT, p. 191).

(more…)