The Truth's For Sale

Déloyal – Sessão em um Brasil estranhamente familiar

Posted in Déloyal, RPG by Carlos Hentges on 11/12/2017

Após ter sido um dos financiadores de Déloyal, finalmente consegui organizar uma sessão para apresentar o jogo a meu grupo. A história se passa em uma versão do nosso país, marginalmente identificada com o final da década de 1960, período de endurecimento da ditadura militar, e inspirada por eventos recentes que ocorreram aqui em Porto Alegre.
O grupo conseguiu cumprir dois dos três objetivos iniciais, restando os demais para uma futura sessão. Abaixo, uma breve descrição do cenário desenvolvido para o jogo e os resultados obtidos pelos libertadores.

-GERAL-
Final da década de 1960 em um país estranhamente familiar. Os direitos pessoais estão sendo cerceados pelas ordens e desmandos da ideologia estatal. As palavras que incitam dúvida são sistematicamente alteradas ou proibidas, ao mesmo tempo em que a arte e a religião se transformam em amálgamas para a manutenção do poder.
====

-LOCAL-
Baluarte, uma grande exposição de arte regulamentada, está prestes a ser realizada na Cidade. A inauguração oficial acontece dentro de alguns dias, com farta cobertura da imprensa oficial e a presença confirmada de inúmeras autoridades. Será uma celebração da ordem e do bom-senso que endireitaram o país desde a amplamente vitoriosa Reforma Geral do Bem-Estar. Os personagens são a resistência, e esta é uma excelente oportunidade para defender a sua causa.
====

-Objetivos-

– Organizar um protesto diante do local da exposição. (x)
– Os personagens obtiveram um sucesso parcial. Alguns artistas foram mobilizados, assim como estudantes. Contudo, uma denúncia fez com que a distribuição de material de promoção do ato viesse ao conhecimento dos Reformistas. Manifestações diante do museu não devem ficar sem resposta, especialmente após dois membros da Polícia terem sido atacados, um deles ainda desparecido.

– Furar o bloqueio da Imprensa oficial. (v)
– A ação em duas frentes teve sucesso. Impressos de uma carta de João Goulart, redigida durante o exílio no Uruguai, chegaram a veículos da imprensa que tem resistido à Reforma. Além disso, uma cadeia de rádio foi organizada para divulgação desta e outras mensagens.

– Evitar que um grupo anarquista antecipe as ações dos personagens (v)
– Os anarquistas não foram dissuadidos da intenção de sequestrar Henrique Sujeito Alves, autor da principal obra a ser exposta em Baluarte, mas o ato foi adiado para a noite inaugural da exposição. Os personagens sabem que terão que lidar com as ações do grupo ao mesmo tempo em que levam adiante seus próprios planos.

– Resgatar peças de arte pré-Reforma no subsolo do museu.
– Destruir a exposição oficial.
– Capturar Malaquias Jr., a maior autoridade presente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: