The Truth's For Sale

Changeling: The Lost – Encontros & Encruzilhadas

Posted in RPG, World of Darkness by Carlos Hentges on 31/08/2012

Décimo Capítulo da Alienação.

Eleuthério segue por uma trilha desconhecida do Banhado. Avança sem dificuldade, apesar dos pés encharcados. O espaço é o bastante para mantê-lo longe dos espinhos, mas não o suficiente para que alguém ande ao seu lado.

A ponte é feita de velhas cordas e madeira desgastada. Não mais do que duas dúzias de passos bastam para se chegar ao outro lado. Bem no meio da travessia, vê a si próprio segurando-se à borda. Não há temor nem esforço para erguer-se. Brumas escondem o que vem após a queda.

– Você já está condenado. A única salvação é decidir quem salvar.

A voz solitária daquele espectro ganha a companhia de murmúrios. Todas as pessoas que Eleuthério conheceu recentemente e lhe são caras, e também aquelas cujo afeto tornou possível que encontrasse o retorno por entre os espinhos, penduram-se às margens.

Vai primeiro na direção das crianças. Claudio e depois Amanda.

– E quem condenar.

Desperta com o zumbido do interfone.

—-

Estrela é efusiva no abraço. Não se viam há semanas e a visita é a primeira ao prédio com ares de condenação onde Eleuthério se fixou. Juliano Terceiro mantém-se em silêncio. Acompanha inquieto a conversa a respeito de eventos recentes.

– Olha só, essa coisa de vocês é bem bonita e tal, mas tem coisa mais importante rolando por aí.

O motivo de Terceiro é cobrar posição quanto aos planos para o Banhado e suas passagens. O Antiquado os tornou públicos e uma decisão será tomada em breve.

– A gente tá acostumado a votar essas coisas. Quem quiser, palpita.

Os fugitivos teriam mais dificuldade para encontrar seu caminho de volta. Menos portas abertas significam maior permanência, e mais riscos, no Banhado. Dessa opinião os três compartilham.

Eleuthério, contudo, duvida de que a destruição das passagens, se é que pode ser feito, impeça que os seres que os levaram abram novas portas e modifiquem o Banhado conforme seus desejos. Estrela e Terceiro não têm resposta para isso.

– O negócio é que sem as portas eu perco de vez o Maria Degolada. Eu preciso chegar no meu pessoal e cuidar da minha gente.

Antes de despedirem-se, foi uma visita política afinal de contas, Eleuthério se compromete a falar com a Branca de Neve e, quem sabe, influenciar sua decisão a respeito.

—-

Nos fundos do térreo há quatro barras de ferro fixadas à parede e suas rachaduras. De escada não se pode chamar aquilo. As tais quatro barras dão acesso a um segmento poeirento por onde passava a instalação elétrica original do prédio. Mas isso é para os outros moradores. Removida a tampa do forro, a passagem leva Eleuthério a uma porção do Banhado que ele próprio vem abrindo por entre os espinhos. Trabalhou nisso durante as últimas três semanas, até fazer com que o novo trecho encontrasse um mais largo e antigo. Ali, fixou uma placa. Quando tiver tempo, Eleuthério pensará melhor na mensagem. No momento, ela aponta para sua casa, onde os que estiverem fugidos podem encontrar abrigo.

—-

– Ele costuma ser bom em julgar as pessoas.

Eleuthério afaga o pelo curto de Ótimo Máximo. Por um instante, o vira-lata é apenas língua a contentamento.

– Mas nem sempre ele acerta. Soube que quem te levou anda por essas trilhas do Banhado.

Eleuthério nem fazia questão de estar aqui. Mesmo isolado, Cosme da Árvore Mais Alta é favorável à manutenção das passagens. Foi Estrela quem despertou seu interesse. Para começar a conversa, narra um pouco do que foi o seu aprisionamento.

– Ter ido para um tipo de paraíso não é bem o que a maior parte de nós experimentou. E ninguém deveria usar a própria história para conseguir algo. Eu sei do que está falando. Toma, eu encontrei entre os espinhos.

A grafia é de Ulisses, como o trecho que Eleuthério recebeu de suas mãos. Em inglês arcaico, trata da Terra de Cockaigne, uma região de luxo e extravagância, uma espécie de paraíso para os sentidos terrenos que aparecia em histórias de tradição camponesa, e fazia uma contrapartida direta ao paraíso cristão.

At Fiddler’s Green, where seamen true
When here they’ve done their duty
The bowl of grog shall still renew
And pledge to love and beauty.

Um paraíso idealizado por populações postas à margem da sociedade, quase seguindo a lógica de que, se o paraíso oficial não é para nós, criemos o nosso próprio. Também é chamado Fiddler’s Green, uma terra de marinheiros, em particular piratas, que viam negada sua entrada no paraíso da igreja.

—-

Por que eles iriam querer atrair O Antiquado ao Banhado? A pergunta fica durante um tempo perturbando os pensamentos de Eleuthério após o inesperado encontro com os Três Duendes. Kkak, Meeknu e Nkik estavam dispostos a entregar informações supostamente preciosas a respeito do que só seus olhos encontram pelos caminhos dos espinhos. Oferta tentadora, não tivesse sido uma negociação recente com eles ponto de partida para enorme dor de cabeça, para dizer o mínimo. De momento, Eleuthério prefere abrir mão de qualquer tipo de acordo, vantajoso ou não. Por que eles iriam querer atrair O Antiquado ao Banhado?

—-

Da cabeça do Elo Perdido brotam pelos grossos e escuros em profusão. Com os dedos delicados, a Branca de Neve os alisa, enrodilha e solta, repetindo o processo com cuidado e visível prazer. Assim que percebe a chegada de Eleuthério, contudo, rapidamente se desvencilha do abraço do bruto adormecido.

Ainda que reticente em relação ao Antiquado, o bastante ao menos para que se declare favorável à manutenção das passagens para fora dos espinhos, é outro tópico que sem sutileza ela coloca nas mãos de Eleuthério.

– Logo, logo ele fará algo. Quando acontecer, você vai precisar disso. E do cavalo. Oh, por favor, não esquece do cavalo, sim?

Ela olha com carinho na direção do Elo Perdido, cuja respiração pesada não deixa dúvidas a respeito de quão perigosamente ignorante daquela conversa ele se encontra.

Levando consigo uma grande machado de lenhador, Eleuthério parte dali.

Anúncios

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Lucas Bernardo Ramires said, on 02/09/2012 at 17:32

    Muito bom, ansioso para saber que eventos estão por vir!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: