The Truth's For Sale

Changeling: The Lost – Volver e Revolver

Posted in RPG, World of Darkness by Carlos Hentges on 30/08/2011

Primeiro Capítulo da Alienação.

Não é porque atravessara a passagem – deixando para trás piscinas de água turva, trilhas de maldade pontiaguda e outras coisas das quais é tão difícil lembrar quanto mais explicar – que Claudio está seguro. Na madrugada do Parque da Redenção, sombras se alongam e árvores se fecham em uma escuridão que apenas o chamado de Lúcia ilumina. Ela vagueia em busca do irmão, Ulisses, cujo nome é o mais apropriado a quem se encontra distante de casa.

Frágil mas decidida, necessitada porém solícita, essa mulher de aparentes contrastes auxilia o combalido Claudio no tanto que lhe resta de jornada até o lar. Lúcia despede-se quando Porto Alegre já não parece tão estranha, diante do prédio que é uma das poucas lembranças concretas de Claudio, local onde viveu quando tudo era diferente, mas não tanto assim.

(more…)

Anúncios

Por uma dose de Soma

Posted in Literatura by Carlos Hentges on 10/08/2011

Um pouco a respeito de Soma, a maravilhosa droga, ou não, presente no romance Admirável Mundo Novo.

“All the advantages of Christianity and alcohol; none of their defects.”

“..there is always soma, delicious soma, half a gramme for a half-holiday, a gramme for a week-end, two grammes for a trip to the gorgeous East, three for a dark eternity on the moon…”

“By this time the soma had begun to work. Eyes shone, cheeks were flushed, the inner light of universal benevolence broke out on every face in happy, friendly smiles.”

“A gramme is better than a damn,” said Lenina mechanically from behind her hands. ‘I wish I had my soma!'”

“It was after midnight when the last of the helicopters took its flight. Stupefied by soma, and exhausted by a long-drawn frenzy of sensuality, the Savage lay sleeping in the heather. The sun was already high when he awoke. He lay for a moment, blinking in owlish incomprehension at the light; then suddenly remembered-everything. Oh, my God, my God! He covered his eyes with his hand.”

”Hug me till you drug me, honey;
Kiss me till I’m in a coma;
Hug me, honey, snuggly bunny;
Love’s as good as soma.”

Prelúdio para a Alienação

Posted in RPG, World of Darkness by Carlos Hentges on 08/08/2011

Changeling: The Lost – Alienados.
A história de Claudio Ribeiro até aqui.

É tarde da noite, e Claudio não sabe onde está. Circula por ruas vazias, a bebida e a droga puxando e empurrando. Quase tropeça em um homem de farta barba castanha. É inverno, e ele cobre sua corpulência com um casaco da cor das oliveiras.

– Você é feliz? – pergunta o estranho que cheira à grama cortada.
– Eu sou. E você?
– Você não gostaria de ser mais feliz?
– E tem como?

—-

A primeira coisa que Claudio vê é a rachadura causada pela infiltração. Está amarrado sobre a única cama de um quarto vazio. Além da porta, pode vê-los através do vidro, aguardam seus familiares. Parecem ansiosos por ouvir suas palavras.

– Pai? Mãe? O que eu estou fazendo aqui?

Sua única resposta é o chiado das correias, que protestam sem ceder.

—-

Inúmeras folhas cobrem o chão de um quarto decorado com simplicidade. Arrancadas de diversos cadernos, carregam palavras escritas pela mesma letra familiar. Ideias incompletas e conceitos pela metade. Planos inacabados a respeito de intenções que jamais se concretizarão. Novos quereres engolfados por novos desejos engolidos por novos apetites. O chão, enterrado por coisas sem fim. Frustrado, Claudio anda lentamente pelo quarto, à procura da porta.

—-

A agitação da festa nubla os sentidos. Há bebidas, drogas e mulheres o bastante para que Claudio esqueça de que possa haver vida fora dali. Isso não quer dizer que estejam todos felizes. Arrastado até uma saída lateral, é cercado por dois homens. Dirigem olhares agressivos, mas o que chama mais atenção é um dos prédios do Hospital Psiquiátrico São Pedro, projetando-se na madrugada. É quase impossível compreender o esbravejar a respeito de dinheiro, mas é fácil reconhecer o argumento dos punhos. Parece que eles não vão parar, pelo menos não até o ruído incerto que os distrai por tempo o bastante.

(more…)

Hospital Psiquiátrico São Pedro – Cronologia da Ruína

Posted in RPG, World of Darkness by Carlos Hentges on 03/08/2011

Cenário de Alienados, crônica de Changeling: The Lost.

O Hospital Psiquiátrico São Pedro, como ele é hoje conhecido, é o centro da comunidade Changeling de Porto Alegre. Batizado de A Ruína, abriga atividades o suficiente para justificar a presença de praticamente qualquer pessoa, mas é amplo o bastante para que todo o desejo por reserva seja atendido em seu terreno de prédios abandonados, construções demolidas e edificações reerguidas sobre cinzas.

1884 – É inaugurado o Hospício São Pedro na cidade de Porto Alegre, Província do Rio Grande do Sul. Ele abriga 41 alienados (24 homens e 17 mulheres). 14 funcionários, aí incluída a equipe médica, são responsáveis pelos internos.

1889 – A administração do Hospício São Pedro deixa as mãos da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre e passa ao doutor Francisco de Paula Dias de Castro. A ele é dado poder para promover todas as mudanças necessárias ao melhor funcionamento da instituição.

1891 – Carlos Lisboa, primeiro médico-diretor da instituição, falece após ser atropelado por uma carruagem no pátio central do Hospício. A vaga é ocupada pelo doutor Olympio Olinto de Oliveira.

1893 – O Hospício abriga 192 alienados em 106 celas e sete salas. A capacidade estimada então é de 160 internos.

1903 É concluída a Ala Oeste, que amplia para 450 o número de vagas do Hospício São Pedro. A proibição, pelo presidente Rodrigues Alves, do recolhimento de insanos às cadeias leva à plena ocupação imediata.

1906 Um surto de violência emerge dos pacientes, revoltados contra o tratamento considerado cruel. Oito membros da equipe médica e 37 pacientes são vítimas do incêndio que espalha-se pela Ala Leste durante a rebelião, contida pelas Forças Armadas.

1910 – Irmãs da Congregação de São José de Chambêry (França) iniciam atividades do Hospício São Pedro. Chegariam a 87 em 1952.

1911 – A disciplina de Clínica das Moléstias Mentais da Faculdade de Medicina de Porto Alegre é oferecida regularmente no Hospício São Pedro.

1912 – A aplicação da clinoterapia no Hospício São Pedro, um tratamento para alienados agitados através do repouso no leito, deu fim à balbúrdia que perturbava os alienados considerados tranquilos.

1915 – Acontece a primeira aposentadoria no Hospício São Pedro. Após 31 anos de ofício público, um servidor é jubilado por ter-se “inutilizado” no serviço, conforme inspeção de saúde a que foi submetido.

1919  Seis pacientes são encontrados nos porões do Hospício vítimas de inanição. Nenhum culpado é apontado, e as famílias não recebem qualquer tipo de compensação.

1921 – Na 1ª Divisão do São Pedro transitam 458 alienados, cujos diagnósticos mais frequentes foram psicoses, alcoolismo e demência precoce. Na 2ª Divisão, o movimento é de 486 alienadas, cujo diagnóstico mais comum é psicose maníaco-depressiva.

1926 – O doutor Jacintho Godoy Gomes é empossado na direção da Assistência aos Alienados do Rio Grande do Sul, que inclui o comando do Hospício São Pedro e do Manicômio Judiciário. Ao longo de sua administração, que corre até 1951, Godoy Gomes promove testes visando à esterilização de pacientes.

1933 Jonas Amaro, portador de Mongolismo (mais tarde denominado Síndrome de Down), falece de hemorragia cerebral. Necropsia revela que ele havia sido submetido a dezessete intervenções cirúrgicas ao longo do último ano. A última delas, uma exploração no cérebro, é causa direta de sua morte. O caso é encoberto pelas autoridades, que temem arruinar a reputação nacional do Hospício São Pedro.

1938 – Fundada a Sociedade de Neurologia e Psiquiatria do Rio Grande do Sul, que tem como presidente o doutor Jacintho Godoy Gomes, vice-presidente o doutor Fábio de Barros e tesoureiro o doutor Cyro Martins.

1941 – A convulsoterapia pelo cardiazol, que vinha sendo utilizada no São Pedro, é substituída pela eletroconvulsoterapia, cujos aparelhos são fabricados no próprio Hospício São Pedro pelo engenheiro Olmiro Ilgenfritz, supervisionado pelo doutor Murillo da Silveira, psiquiatra da Instituição.

1944 – Introduzido no Hospital São Pedro pelo cirurgião doutor Almir Alves o procedimento da psicocirurgia, sendo que de maio a junho são praticadas 25 intervenções.

1950 – Estabelecida a Seção de Pessoal do Hospício São Pedro. Para uma população interna de 2.881 doentes mentais existe um quadro do Serviço Técnico com 165 servidores, entre equipe médica, atendentes e religiosas.

1952 No ápice de seu funcionamento, quando abriga três mil internos, o Hospício São Pedro sofre um incêndio que destrói a Ala Leste e vitima 1/6 dos alienados. O processo de desativação tem início.

2011 Parcialmente destruído e jamais plenamente recuperado, o Hospital Psiquiátrico São Pedro abriga alguns grupos artísticos, uma instituição de ensino na área de saúde, uma ala voltada ao tratamento de alienados e a Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre.