The Truth's For Sale

Uma Empreitada Bucaneira – Aventura 17 – Unir para conquistar

Posted in GURPS, O Jogador, RPG by Carlos Hentges on 28/05/2009

Aventura 17 – Unir para conquistar

Capítulo 1: Mentir, comprar e apostar para conquistar: “É ótimo esta em teu lugar agora, Capitão Walker…”

A Esquadra Inglesa esta alerta. Alguém do alto escalão parece estar dando as ordens erradas para as pessoas certas nos mares do Caribe, e a menos que isto lhe traga algum lucro grande e imediato, não vai parar. Do leste, das ilhas que servem como base para a Frota Real, vem a notícia de que uma grande incursão para oeste é planejada, para fazer uma varredura nos patifes e salafrários dentro de, no máximo, um mês. Em Isabella, novo destino do Marinheiro Ancestral, é o boato mais comentado, como nas outras cidades.

Logo na chegada, após dar as costumeiras ordens aos homens, o Imediato Thorne encontra seu irmão mais velho, Herman Thorne. Apesar de contente em vê-lo, não consegue evitar dizer que a família está mais sossegada depois de sua saída, com menos desavenças, brigas e problemas. Durante o almoço, a troca de gentilezas continua, com Alexander fazendo questão de lembrar o irmão pela ausência no seu casamento, dizendo que “Afinal, são tantos irmãos, quem vai se lembrar de todos?”, deixando Thorne sem palavras.

Timmy, por sua vez, após encontrar Thorne e Joseph Brown no porto, recebe uma ordem para chamar Walker para uma conversa com seu sócio. Ainda no barco, reporta-se a Duquesa Mary Moore, e está fala que possui muitos amigos influentes na região, e pode conseguir algum tipo de ajuda, se necessário. Timmy solicita que peça refúgio, porque algo grande está para acontecer. Ela concorda, e vai para seus aposentos redigir as cartas. Após, segue o capitão Walker para o restaurante.

Chegando lá, Walker tem gratas surpresas: em uma mesa está Thorne, seu antigo companheiro; em outra Joseph, seu sócio de Springfield. Depois de uma breve conversa com ambos, vai aos negócios com Joseph. O crescente boato sobre as conseqüências do ataque ao barco inglês cresce, fazendo com que a Marinha Real se prepare para uma investida contra todos que não forem seus aliados e subalternos. Ele fala que está muito interessado que a parceria com Walker perdure, e já providenciou uma ajuda de 6 barcos para um eventual problema futuro, mas que precisará de um homem para comandar toda essa frota. O ego de Walker inflama e expulsa alguns homens do restaurante, exigindo mais espaço.

Do lado de for a, Timmy ouve que 4 barcos ingleses chegarão a Isabella em 3 dias.

É hora de juntar todos os aliados possíveis. Walker tem Ramirez, o vendedor de rum em Tortuga; Joseph Brown, seu sócio em Springfield; Morgam Adams, também pirata; e com uma boa dose de lábia, quem sabe Barba-Negra. Timothy tem Von Cock, a Duquesa e a influência que ela pode ter com os nobres daqui. Alexander tem as cartas.

Capítulo 2: Apostas: “Aposto o seu barco contra o meu!”.

Timmy entra em contato com Von Cock através das prostitutas que lhe tratam tão bem. Aproveitando a ocasião, seria uma boa hora para convidá-lo para a tal reunião do Capitão Walker.

No dia seguinte encontram-se no bordel Last Night, dirigido por Carmem, senhoria que entrou em contato com Timmy. O Capitão holandês é entretido por dois pares de peitos quando percebe a aproximação do garoto. Caloroso, o recebe de braços abertos, bem como seu amigo, Alexander. Este não se deixa distrair pelos peitos e procura alvos. Ricos.

Não demora muito acaba encontrando dois senhores distintos em uma mesa jogando cartas. Educadamente, pede o chapéu de Capitão de Von Cock e dirige-se à mesa. Apresenta-se como Capitão Thorne, coloca o chapéu na cadeira e começa a jogar. Durante uma hora fica num jogo de perde e ganha, brincando com sua vítima, Cpt. Garcia. Após um tempo sugere uma aposta de homem, para aqueles que realmente tem colhões: “seu barco contra o meu!”

Obviamente que o verdadeiro Capitão quer ver qual é o barco, e impressiona-se quando vê o Marinheiro Ancestral. A tripulação cumprimenta Alexander, e Timmy da mais veracidade à farsa, chamando de Capitão e falando qualquer bobagem para distrair o desafortunado espanhol.

Nada tira da cabeça de Alexander seu objetivo final, e após algumas partidas, acaba ganhando. O Capitão fica desiludido. Levando a situação com muita diplomacia, Alexander abre o jogo, e pede a confiança dele em troca do seu barco. Mais um convidado para a reunião de amanhã.

Capítulo 3: A reunião: “O bom é que no meu barco eu nunca falo por mim.”

Os aliados responderam ao chamado. Ramirez veio com um barco, Joseph Brown ofereceu 6, Morgam Adams se fez presente, Barba-Negra também, assim como Von Cock, Garcia e seu companheiro. Do lado honesto da mesa há os Capitães trazidos por Mary Moore. Antes de tudo começar, breves palavras são trocadas com Morgam. Barba-Negra concorda em participar, mas precisa de um barco para a batalha, já que o seu foi atacado. Ele comenta que tem suspeitas, inclusive sobre Walker, mas que não pode provar nada e que isso não é importante agora. Como preço de sua lealdade temporária, exige um barco como pagamento posterior à batalha, se saírem vivos. Walker concorda.

O Abade Queiroz nada pode fazer, mas ainda assim ele rezará para que tudo dê certo.

A movimentação no convés do Marinheiro Ancestral é grande, com cerca de 100 homens ali. Tal movimentação chama atenção da guarda inglesa, mas esta não é estúpida para se meter com tantos de uma vez só, não agora, ao menos. Walker cita os problemas que afetam os “comerciantes e os não-comerciantes” presentes, dizendo que o infortúnio com o barco inglês precipitou uma situação não desejada.

A menção de que o Destemido, maior navio inglês e dos mares, estará presente causa um alvoroço, o que leva o Capitão Walker a dizer que eles contam com o elemento surpresa e que possuem outro Ás na manga: Davy Jones. Incrédulos, todos duvidam. Até verem o coração pulsante do amaldiçoado dentro de um baú. É o suficiente. Barba-Negra propõe que Walker seja o Comodoro da batalha, e seu navio a nau capitã. Todos concordam, até porque ninguém quer discordar do que aquele homem com olhos insanos propôs.

À noite, os navios ingleses começam a chegar. O plano é simples: afundar 3 deles e deixar um para Barba-Negra e sua tripulação.

Capítulo 4: Show de fogos: “Furtivos, sorrateiros, silenciosos. Eles nunca saberão o que os atacou”.

Algumas vezes o plano é simples porque foi bem explicado, outras, porque realmente é simples. Neste caso, não foi nenhum nem outro. Alexander diz que se encarregará das distrações com os soldados do quartel, que abriga a grande maioria dos soldados da cidade e aqueles que acabaram de chegar. Rumando com algumas caixas de rum de Walker e barris de pólvora, aborda os soldados ingleses que estão de ronda na frente do quartel. Com a habitual lábia na ponta da língua venenosa, os faz entender que aquilo é um presente de boas-vindas do governante da cidade. Apesar de ser uma bebida ilegal, os guardas, com salário atrasado e desgostosos com a vida, aceitam. Alguns minutos de conversa para deixar o combustível, digo, rum, se espalhar e um tiro é disparado por Alexander nos barris previamente alocados ao lado do quartel.

No barco, o Capitão Walker conversa com um pequeno grupo de marujos, explicando as regras do que será feito. “Um barril por barco, 4 homens. Uma explosão gigantesca no porto. Maldição… Era para aguardar um pouco ainda!” Bom, ninguém explicou para Alexander. Na realidade, ninguém havia explicado patavina alguma para ninguém! A agitação pela grande explosão que derruba as casas vizinhas junto com o quartel leva os guardas dos navios para o porto. Parece que, no fim ainda dará certo.

Walker desce com um grupo e ruma para um navio próximo, juntamente com Alexander, que parte com outro grupo, após chegar correndo da primeira empreitada. Apesar de as pederneiras chamarem atenção dos guardas que restaram nos navios, a noite e o pavor do ataque não permite que consigam atirar de forma correta. Sorte para nossos destemidos e sorrateiros malditos. Timmy não encontra problemas também, atacando o terceiro barco que sobrou. Os homens de Barba-Negra atacam e capturam o quarto barco. Com uma ajuda dos canhões do Marinheiro Ancestral disparados sob as incessantes ordens do papagaio de Walker, os guardas restantes são rechaçados, e seu mais recente aliado consegue um navio para a batalha.

É tempo das despedidas. Timmy passa em Port-du-paix e dá adeus à sua amada dona de bordel, Angela. Talvez a certeza da morte faz com que finalmente o garoto consiga satisfazer a mulher, ainda que de forma precária. Walker se despede de todo seu dinheiro, deixando-o em um convento com freiras. Uma pequena taxa é acordada, enquanto que a coleção de livros de Shakespeare zelada por Timmy ajuda nas negociações. Alexander tem seu amado baralho sempre consigo.

Capítulo 5: Dia D, de Desgraça: “No próximo tiro eu mato um Capitão!”

Após longos dias de espera e preparações, os 20 navios recrutados por Walker e seus companheiros rumam para a posição combinada. De lá, interceptarão a frota inglesa. Últimas conversas são mantidas entre os capitães e, no dia 12 de Agosto de 1720, a maior batalha de todos os tempos nos mares do Caribe se anuncia. O Destemido lidera sua esquadra, com dois batedores avançados.

Walker prontamente comunica Timmy, no navio ao seu lado, em companhia de com Von Cock, para que se encarregue de um deles, enquanto invoca Davy Jones e o encarrega do outro. O fato traz certeza da vitória para uns e pavor para os ingleses. Com sucessivos disparos para analisar a distância dos alvos, as embarcações vão se preparando, até que entram na distância que a pólvora alcança.

Os primeiros disparos do Destemido justificam o porquê de seu nome. Uma parede de chumbo se movimenta na direção do Marinheiro Ancestral, mas graças as incríveis habilidades unidas de Walker e Alexander, a maior parte dos disparos são evitadas. Quando o ataque é revidado, a situação é outra: o tamanho do barco inglês impede movimentações evasivas rápidas, mas sua grande proteção faz com que os vários projéteis de Walker não causem maiores estragos. Após algumas saraivadas por parte dos dois capitães, Walker decide que a melhor tática é a abordagem direta, e posiciona o navio para isto. Morgam Adams, ciente de que a tripulação inglesa é no mínimo duas vezes maior, faz o mesmo.

No Amsterdã, de Von Cock, Timmy também dá ordens para abordar um dos barcos que oferecem proteção ao Destemido. Do outro lado, marujos de Davy Jones se jogam ao mar e surgem no segundo betedor, começando uma abordagem muito sangrenta e decidida. Chegando logo ao seu alvo, Timmy procura identificar, de seu navio, o Capitão do outro. Com um tiro certeiro o derruba, atrasando temporariamente as ordens.

Do barco de Walker e Alexander, Michelle procura os superiores que dão as ordens para as colunas inglesas alinhadas de tiro. Um a um, eles vão tombando frente aos precisos tiros da insaciável loira. Alexander procura alvos pontuais, e com sua Smith Wesson de três tiros, vai enfileirando cadáveres. Walker, avistando o Capitão da Esquadra inimiga, busca uma corda e salta para o barco inglês.

Com extrema classe, faltando apenas oferecer um chá antes do embate, o Capitão Kenneth saca o sabre e aguarda o ataque. No primeiro, desferido por Walker, defende com extrema maestria e posiciona-se novamente na defesa, o que deixa Walker profundamente incomodado e o faz atacar com fúria, acertando o segundo golpe. Um segundo inimigo se intromete, mas este não é páreo para as habilidades de Walker. Alexander, ao longe, e sabedor de que só os vivos possuem honra, resolve intervir. Com dois tiros restando dispara da direção dos Capitães em duelo, mas acaba acertando Walker. Como o inglês ainda estava no chão pelo golpe recebido, Walker não sofre um ataque. Mas o perigo ainda está na forma da última bala na pistola de Alexander. Um novo disparo, desta vez em quem merecia mais, acerta Kenneth, que tomba. Carregando seu corpo para a beira da proa, Walker grita a todos que o Comodoro caiu!

No barco vizinho, Timmy também percebe que pode acabar com esse embate se acertar o Imediato que tomou conta das ordens. Saltando para o barco inimigo, enfrenta brevemente um inglês, com quem troca tiros. O disparo do inglês não tem sucesso, e nem o de Timmy, que acaba acertando de raspão. Mas ele tem Alexander para salvá-lo! Este esquiva de um inglês preso a uma corda enquanto carrega suas três balas e o acerta no ar. As duas balas restantes já tem endereço certo, antes mesmo de serem disparadas. A primeira acerta Timmy, que cai de joelhos em frente ao seu oponente. A segunda acerta o inglês, que cai mortalmente ferido.

Naquele dia, Alexander acertou metade de seus disparos em seus companheiros e metade em seus adversários. E todas as balas atingiram alguém que ele não gostava.

Os outros barcos, mesmo sofrendo avarias, conseguem também suas vitórias. Os sobreviventes ingleses são resgatados pelos “comerciantes”, enquanto que os “não-comerciantes” afogam os que restaram e jogam os corpos ao mar. Barba-Negra vem ao encontro de Walker exigir o que é seu pelo auxílio: um barco, e ele escolhe o Destemido. Davy Jones afirma que também cumpriu sua parte, e exige seu coração de volta, o que não é negado por Walker.

A bebedeira será grande. Tortuga é o destino certo. Desta vez, Von Cock irá precisar de mais peitos em volta de seu rosto para se satisfazer. Timmy tem duas mulheres a prestar contas de sua bravura. Alexander tem… Bom… Alexander tem que botar o dedo na cara de seu irmão e mostrar quem é o verdadeiro homem da família; e depois limpar mais algum otário em casas de apostas.

Parece que, de uma forma ou de outra, entre disparos certeiros e nem tanto, desavenças e acertos, os três homens formaram um trio e tanto, agregando vitórias e dinheiro às próprias histórias!

O Marinheiro Ancestral navega vitorioso pelos mares, e Johnny Walker, Alexander Thorne e Edward Seymor-Saussare conquistam mais respeito do que qualquer um poderia imaginar quatro meses antes.

Uma Empreitada Bucaneira foi uma campanha de dezessete sessões que viajou pelos mares do Caribe utilizando o sistema de navegação GURPS.
Narração e Texto: Carlos Alexandre “Gói” Fedrigo
Alexander Thorne: Carlos Hentges
Johnny Walker: Filipe Brunetto
Edward Seymor-Saussare, vulgo Timmy Travesso: Luiz “GoreCorpsed” Prado

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: