The Truth's For Sale

Uma Empreitada Bucaneira – Aventura 14 – Quando a semente do ódio é plantada e o espinhal da desavença cria raízes

Posted in GURPS, O Jogador, RPG by Carlos Hentges on 21/05/2009

Aventura 14 – Quando a semente do ódio é plantada e o espinhal da desavença cria raízes.

Capítulo 1: Novas negociatas, novos cargos, novas cicatrizes. “Um já saiu do meu caminho. Só resta o capitão.”

Os garotos rumam para Isabella para tentar novas negociações com a notícia da queda de Von Nietzsche. E conseguem. Além de um medalhão que garante serviços do governo espanhol, resgatam mil moedas de ouro como recompensa pela captura/morte do pirata. Enquanto tratam da diplomacia, Walker trata da pirataria. Levando um carregamento de bebida para Joseph Brown na mesma viagem que leva Thorne para sua nova morada, consegue um pequeno lucro. O melhor da viagem é um acerto com o nobre para que receba sua bebida, que começará a ser entregue regularmente.

De volta a Tortuga, onde os garotos aproveitam alguns dias de fartura entre os seios das mulheres e se abastando com comida farta, Walker segue com suas artimanhas para virar um contrabandista famoso. Encontrando Martinez, o esguio espanhol, acerta um preço fixo de 5 moedas por garrafa, mas pede exclusividade. A qualidade da bebida é garantida pelo amigo que afirma que “la garancia soy yo, compadre”. Um pequeno e rápido barco é comprado. Alguns marinheiros são destacados para ele, sob as ordens de Norberto, que fará a rota regularmente. Segundo estimativas e rotas que Walker passa, são possíveis 3 viagens por mês, levando até 30 caixas de bebida, o que dá um lucro de 5.000 peças, já descontando o pagamento dos marujos e reparos do barco. Martinez também consegue um amigo que pode prensar rótulos para Walker ao preço de 300 peças pelas 30 caixas. Cabe ao mais recente Comodoro decidir.

Mas o que são as rosas sem alguns espinhos? De volta ao Marinheiro Ancestral, Alexander vê uma boa chance para mostrar que o jovem Timmy não é de todo honesto. Entregando as 500 peças que havia segurado pela recompensa de Von Nietzsche ao Capitão, denuncia que o outro garoto ainda está com sua parte, e parece não estar disposto a entregar.

Antes de conseguir se explicar, argumentando que durante a conversa na taverna o Capitão saiu às pressas assim que foi mencionado sobre a fortaleza de Von Nietzsche, ele é amarrado ao mastro do navio e recebe 10 chicotadas. Seu orgulho é ainda mais ferido quando Alexander é nomeado o novo imediato, na ausência de Norberto. Parece que a capacidade não é levada em conta, mas sim a fidelidade com os interesses do Capitão.

Alguns homens se compadecem com a situação do garoto e fazem o seu serviço enquanto ele se recupera. Outros falam com o Capitão sobre sua boa índole, sugerindo algum mal entendido. Alexander aproveita a oportunidade e sobe um degrau na vida, usando outro homem como escada.

Capítulo 2: Sartossa é o destino, novamente.

Depois de recuperado, Timmy conversa com o Capitão. Ele conta que seguiu os dois piratas de Morgam Adams no porto de Tortuga três dias antes, e descobriu que eles também rumavam para a ilha de Sartossa. O escravo tatuado foi visto mais uma vez, mas seu propósito ainda não foi descoberto.

Planos são traçados para a invasão. Um pequeno barco é visto na praia sul da ilha, o mesmo para qual os dois piratas de Morgam se dirigiram na cidade anterior. Walker ordena que a ilha seja contornada até avistarem o porto, e para surpresa, já há um grande navio ali atracado, o navio Queen Anne Revenge de Barba-Negra. Optando por uma abordagem discreta, ao menos por enquanto, os dois garotos, o capitão e mais dois marujos decidem ir até a mina abandonada.

O percurso é longo, mas sem surpresas. O falcão de Timmy assegura que só há eles por ali. Na caverna, tochas iluminam o caminho até a plataforma móvel, que é maneja por um dos marinheiros. Subindo até a pequena guarnição que há no alto do morro, de frente à imponente fortaleza, três guardas vigiam. Astuciosamente atraídos para o meio do matagal, são dominados sem alarde. Mais uma vez ficou evidente a total ineficiência de ambos os jovens para o embate corpo-a-corpo, sendo muito do encargo jogado sobre as costas de Walker.

Uma idéia para atrair outros guardas e gerar confusão surge: se vestir como os piratas de Von Nietzsche e atacar os de Barba-Negra, que parecem estar tentando uma negociação para assumir o comando dos sem amo. Conseguem, com sucesso. Tiros são disparados, urros em nome do falecido alemão são gritados e a balbúrdia instalada. Antes disso, Alexander sinaliza para o Marinheiro Ancestral para que tome posição próximo à ilha ao lado do porto. Entrando com Walker na casa e rumando para o segundo andar, ignoram os gemidos das putas que servem de diversão para alguns piratas em quartos imundos, seguem para a escada no lado oposto, descendo então dois andares e chegando até o porão, onde há todos os tesouros do falecido.

Pé na porta, bala na cara! Walker decide as coisas com seu jeito pirata de ser. Alexander, ouvindo os tiros do lado de fora da casa, também saca a arma e acerta um pirata que ensacava os pertences. O terceiro, completamente sem ação, larga a arma no chão, se ajoelha e começa chorar! Sob as ordens insanas de Walker, continua ensacando as moedas e guardando-as em baús. Timmy e o os outros dois marujos chegam, com um deles alvejado no peito. Walker começa a jogar as caixas pelo cabo esticado do chão da sala para a ilha próxima. Desta vez ele não chuta nenhum Thorne, e a descida só não é mais suave porque um dos piratas corta a corda quando eles ainda estão no meio do caminho. Timmy já havia chegado com os dois marujos, Alexander cai na água, próximo a ilha, e Walker cai longe, perto da última das 4 caixas de moedas. Sua ganância acaba salvando sua vida quando a caixa que ele carrega serve de escudo para os diversos tiros que recebe.

Capítulo 3: Um inimigo renasce das cinzas, com o ódio queimando em suas entranhas. “Ergam a bandeira Holandesa! Derrubem o mastro daquele navio! Enterrem aquela montanha em balas de canhões!”

As ordens são berradas com o temor de que uma retaliação não demorará a tardar. Mas agora só os vivos beberão e comemorarão mais essa vitória. O navio é arrasado, seus mastros e velas destruídos, seu casco gravemente avariado. O forte, no topo da montanha, tem suas paredes destruídas por consecutivos tiros de canhão.

O rumo ainda é incerto, mas as garrafas de rum são retiradas do porão para o convés. Entre moedas, jóias e bebida a tripulação comemora mais uma missão muito bem sucedida sob as ordens do Capitão Walker, e parece que a escolha do imediato Alexander não foi de todo errada também, ao menos por enquanto.

Uma Empreitada Bucaneira foi uma campanha de dezessete sessões que viajou pelos mares do Caribe utilizando o sistema de navegação GURPS.
Narração e Texto: Carlos Alexandre “Gói” Fedrigo
Alexander Thorne: Carlos Hentges
Johnny Walker: Filipe Brunetto
Edward Seymor-Saussare, vulgo Timmy Travesso: Luiz “GoreCorpsed” Prado

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: