The Truth's For Sale

Uma Empreitada Bucaneira – Aventura 4 – Aproxima-se uma Tormenta

Posted in GURPS, O Jogador, RPG by Carlos Hentges on 05/05/2009

Aventura 4 – Aproxima-se uma Tormenta

Capítulo 1: A viagem é feliz e de boa sorte para quase todos. “Senhor! Senhor! Há um rato no seu quarto… De uns 80 quilos!”.

Thorne é alertado por seu pequeno ajudante de que há um ladrão mexendo em seus pertences. Prontamente, ele se dirige ao local com seu arpão em mãos. Sem sucesso ao tentar negociar, acaba acertando a mão do rato onde havia algumas peças de ouro e, temendo que a notícia da posse do medalhão se espalhe entre os marinheiros, decide ir falar pessoalmente com o capitão. Sparrow navega despreocupadamente, e não parece demonstrar surpresa ao ouvir a história. Diz a Thorne que foi ele próprio quem deixou o baú selado no mar quando conseguiu se livrar da maldição. Por algumas preciosas moedas ele poderia ajudar o nobre pescador a se livrar da terrível maldição.

Walker, por sua vez, tenta persuadir o capitão a lhe mostrar os documentos que ele achou na igreja do Abade Queiroz, mas parece que sua língua só é afiada com as mulheres mesmo.

Capítulo 2: Sabres, Mosquetes e uma Língua Afiada. “O que é isso, Capitão Miller? Eu suei para conseguir este dinheiro! – pensa Walker, carregando o baú”.

Como havia sido acordado anteriormente, o barco agora ruma para Isabella, lar da maioria dos que estão a bordo. Na chegada, um alvoroço é armado. Todos pensavam que o barco havia sido destruído no ataque a Petit-Goave. Imediatamente, a guarda se posta e o Capitão Pistols Miller intercede de forma bastante incisiva, convocando os tripulantes a prestarem maiores explicações no quartel. Jack Sparrow acaba atrás das grades, novamente.

Thorne tem uma pequena discussão com seu velho pai sobre a perda do arpão da família. Samuel não perdoa tamanha desonra, manifestando também sua desaprovação pela tripulação que acompanhava o filho na viagem.

Depois, ambos se apresentam a Miller. E dessa vez, Walker parece ter “limado” a língua antes de vir. Com astúcia digna dos maiores trapaceiros, convence o capitão da cidade de que é um homem honesto. E mais, ganha sua confiança. Thorne, sem esconder quase nada, diz que a ida até a ilha foi um pedido do então capitão do navio, e que foi acordado entre todos a bordo. Consegue convencer o capitão também de que não houve qualquer tipo de saque na ilha de Sartossa e ainda identifica o local preciso da ilha em um mapa. Comenta sobre a perda (ou esquecimento) de Eleonora, a provável filha do Duque de Montepio, mas não revela nada sobre o Baleeiro Senhora Altiva. Os dois são requisitados para uma possível nova ida até a ilha, para resgatar a senhorita.

Capítulo 3: Mi sangre, tu sangre! “Pagar uma dívida que não é minha!? Quem vem com quatro homens deste tamanho quer dizer algo, não?”

Quando sai do quartel e se dirige para casa, Thorne é abordado por um homem que se identifica como Don Fernando. O notável senhor diz que um suposto Watson Thorne, de Nantucket, lhe devia a vultuosa quantia de 1000 peças de ouro e, agora que achou um parente próximo, exige o pagamento. Os seus quatro guarda-costas reiteram o pedido, mesmo que silenciosamente. Thorne desconversa, diz nunca ter ouvido de tal homem, mas é alertado sobre problemas que podem lhe ocorrer.

Capítulo 4: Livre-me desta Maldição, maldição! “A cadeia está confortável, Jack? Bom, você passou mais tempo nela do que fora, imagino?”

Em um pedido ao capitão, Thorne solicita uma visita a Jack Sparrow, alegando que ele sabe como resolver um grave problema ainda pendente. Na conversa, nenhum dos lados cede terreno, e Thorne sente-se tão preso ao problema quanto Jack, que está atrás das grades. Um acordo ainda não foi alcançado, mas talvez porque pouca corda foi colocada na forca… Ou talvez porque o banco ainda não foi chutado.

Capítulo 5: Esqueçam-me, por Deus! “Olhos me seguem, e não são os das donzelas carentes das tavernas…”

Walker tem a nítida impressão que está sendo vigiado. Por onde anda, um pouco de atenção revela homens seguindo-o. Homens de Von Nietzsche. Mal sabe ele que esses não estão a mando do prussiano, mas tentando realizar um agrado ao seu amo. Agrado que pode render uma promoção e ainda umas boas moedas de ouro. Por hora, apenas passos distantes seguem Johnny Walker na noite, e ele ainda pode se divertir nos braços das damas de companhia.

Uma Empreitada Bucaneira foi uma campanha de dezessete sessões que viajou pelos mares do Caribe utilizando o sistema de navegação GURPS.
Narração e Texto: Carlos Alexandre “Gói” Fedrigo
Herman Thorne: Carlos Hentges
Johnny Walker: Filipe Brunetto

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: