The Truth's For Sale

Cartas Selvagens V – Eterno Retorno

Posted in Mutantes&Malfeitores, RPG by Carlos Hentges on 29/08/2008

No Capítulo Anterior:

– Os personagens descobrem seus verdadeiros nomes, e são informados de alguns fatos de seu passado esquecido.

– Delta, ou Steve Conley, é seqüestrado por uma das entidades manifestadas por Arthur Pendell, O Quarto Homem.

– Mesmo desconfiados da postura do capitão Kenneth Lambard, Nathan Jones e November, ou melhor, David Anderson e Jason Walker, partem em busca do companheiro desaparecido.

– A busca é frustrada, e Anderson e Walker partem para Nova Iorque, possível palco do terrível plano revelado para Conley.

02/07/2008 – 4º Dia – 21h

Contato

Já no Black Hawk que os levará a Nova Iorque, Anderson e Walker conversam sobre responsabilidade e planejamento. Por mais que concordem a respeito da necessidade de deter um possível evento catastrófico, seus pontos de vista são totalmente divergentes quanto ao método. Avaliando a capacidade da metralhadora armada junto à porta do helicóptero, o primeiro afirma que apostará em um poder de fogo crescente. Sem respostas, Walker se distrai criando pequenas ilusões. A postura alimenta as certezas infundadas de Anderson.

Depois de uma hora de vôo, o co-piloto informa que estão recebendo mensagens da base Maxwell-Gunter. Segundo elas, foi detectada uma movimentação anômala nos arredores da cidade de Gadsden, mais ao norte. Dirigindo-se para lá, o Black Hawk se prepara para uma possível abordagem.

Ela ocorre alguns quilômetros adiante de Chattanooga, ao sul do Tennessee. Ainda que a noite não permita enxergar, os radares captam a movimentação errática mais adiante. Já na área de alcance de sua percepção, Walker avisa que as cinco criaturas parecem estar escoltando duas pessoas. Uma delas é Conley.

– Seja lá o que for, está bem embaixo de nós.

Com um visor noturno, Anderson consegue distinguir cinco figuras tênues, e duas pessoas. A movimentação anormal, que faz desaparecer e surgir em outro ponto, torna impossível acompanhar o deslocamento. Anderson desiste da saltar sobre o grupo para resgatar Conley, mas logo descobre que não tardará até que a ação chegue.

– Um deles se desviou do grupo. Ele está se aproximando, alerta Walker.

Em segundos, uma das sombras surge entre os pilotos do Black Hawk, parcialmente ocultada pelos painéis. Anderson saca uma pistola e atira, enquanto Walker cria uma ilusão para interagir com o invasor. Nenhuma das ações tem efeito e, diante dos pilotos estupefatos, os painéis começam a ranger e estalar, submetidos a uma força invisível. Subitamente, a criatura desaparece, deixando para trás um helicóptero obrigado a realizar pouso forçado. Antes de tocar o solo, Walker já pode sentir a presença de Conley, dezenas de metros adiante.

Transfiguração

Com um fuzil de assalto nas mãos e um visor noturno para orientar-se, Anderson avança pela mata, deixando para trás a clareira onde pousou o Black Hawk. De nada adiantam os pedidos de Walker para que espere.

Conley está deitado junto a uma árvore. Acaba de despertar, e sente dores terríveis por todo o corpo. Próximo a ele, está Arthur Pendell. Mesmo a parca iluminação natural permite que ele observe suas feições distorcidas. Parece assustado. Confuso. Conley não tem tempo de dizer ou fazer o que quer que seja. Uma rajada atinge Pendell. Seu sangue se espalha sobre o rosto de Conley.

Ainda no helicóptero, Walker sente o lento enfraquecimento de Pendell. Enquanto ele morre, a atividade mental de uma das sombras se expande. Lentamente, ela aproxima-se do local onde estão Anderson e Conley. Tomando o controle do piloto do Black Hawk, o convence a avançar em direção de onde houve os disparos.

A sombra volta-se na direção de Conley. Assim que a avista, Anderson recorda que nada pode fazer para afetá-la. A única saída é manter-se o mais longe possível. Impulsionado por sua absurda capacidade muscular, ele toma o companheiro nos braços e salta além da copa das árvores. A queda, porém, é desajeitada. Ambos chocam-se violentamente contra os galhos. Ainda que isso não possa atingir o soldado, os ferimentos são terríveis para Conley. Após a destruição do gesso que protegia seus ossos, ele perde os sentidos.

Anderson pouco pode fazer. Em um instante, a sombra está ao seu lado. Com um movimento do braço, faz com que Conley, inconsciente, se erga. Acompanhado pelo co-piloto do Black Hawk, Walker também testemunha quando aquilo enfia seu punho sem dedos dentro do peito de Conley. Ele desperta tomado por uma sensação além da descrição, como se vasculhassem o seu âmago. Em um instante tudo acaba, e a sombra desaparece na escuridão.

Reencontro

Junto ao Black Hawk, aguardando o reparo de alguns circuitos elétricos, Anderson, Walker e Conley recordam os eventos recentes. Os dois primeiros relatam a frustração que se seguiu aos encontros com as sombras, quando nada puderam fazer. O resgatado, por sua vez, prefere guardar para si as palavras de Pendell a respeito de Nova Iorque.

A conversa entre os três se encaminha para as incertezas dos últimos dias. É certo que precisam de mais respostas, e o ímpeto para agarrá-las parece fortalecido.

Tão fortalecido quanto os ossos de Conley. Certamente, não foi a tala improvisada por Anderson que o recuperou. O contato direto com a criatura desconhecida parece ter provocado o segundo efeito benéfico. O primeiro era mais óbvio. Os soldados no Black Hawk permaneciam vivos. Aquilo simplesmente curou Conley, ou teria tomado para si a terrível capacidade?

Entre reflexões, os três embarcam no helicóptero e deixam a Floresta Nacional Cherokee, a caminho de Chattanooga.

03/07/2008 – 5º Dia

Insubordinação

Já é madrugada quando o Black Hawk pousa no terraço do Parkridge Medical Center, em Chattanooga. Uma equipe de emergência recebe Conley, que é imediatamente levado para uma bateria de exames. Anderson e Walker recebem dos pilotos a informação de que o major Jefferson Carlyle está a caminho para lidar com a situação.

Demora cerca de uma hora para que os primeiros resultados sejam divulgados. Já em um quarto, os três ouvem que talvez seja necessária uma semana até que Conley se recupere plenamente. A apresentação do diagnóstico é interrompida pela chegada do major Carlyle, acompanhado pelos dois sargentos responsáveis pelo Black Hawk.

Rapidamente, ele anuncia suas ordens para escoltá-los de volta à Base Aérea Maxwell-Gunter. Eles estavam sob quarentena, e sua saída do local não deveria ter sido autorizada. Informado por Anderson de que sua missão havia sido expedida pelo capitão Kenneth Lambard, o major afirma não saber de quem se trata nem nunca ter ouvido esse nome. Além disso, esbraveja que não irá tolerar insubordinação de um primeiro-tenente.

Enfurecido, Anderson arranca as insígnias que leva nos ombros e agarra o homenzinho, elevando-o acima da cabeça. Imediatamente, um dos sargentos saca uma pistola. O outro, certamente ciente das capacidades daqueles homens no quarto, mantém-se neutro. Conley, pela primeira vez em dois dias, sente que pode usar os seus poderes, se necessário. E Walker apenas aguarda, avaliando se a violência de Anderson precisará sem controlada.

Os momentos seguintes são tensos. A indignação do major Carlyle supera até mesmo a sua capacidade para avaliar que não está no controle da situação. Por fim, concordam que, se existe um local onde podem obter respostas, é na Base Aérea Maxwell-Gunter. Sob um silêncio sepulcral, o sexteto se dirige de volta a Montgomery.

O Sonho de David Anderson

É noite. Outros homens o acompanham em um jipe. São soldados, e você é seu líder. Carregam armas. Estão nervosos. Conversam entre si e o fazem perguntas, mas não é possível compreender o que dizem. O jipe deixa a estrada e segue na direção de uma luz intensa, emitida por algo além de uma colina. Ao chegar no local, se deparam com algo semelhante a uma grande concha. A intensidade da luz aumenta e diminui tal qual o ritmo de uma respiração. Os soldados hesitam, mas diante de uma ordem sua, aproximam-se. O casco daquilo parece com coral ou algum tipo de rocha porosa. Repentinamente, onde não havia nada, abre-se uma porta. Antes que algo possa ser visto, os soldados começam a gritar e morrer.

Livre Arbítrio

O que fazer com essas novas e extraordinárias capacidades? Simplesmente abandonar a ala de contaminados criada na Base Aérea Maxwell-Gunter? Dar um fim à existência miserável dessas criaturas degeneradas além da descrição? Descobrir uma nova forma de encarar o patriotismo devotado a um país que não parece ser capaz de dizer a verdade? Todos esses pensamentos ocorrem a Conley, Anderson e Walker antes de serem recebidos pelo coronel Paul McGillicuddy.

Ao longo da madrugada anterior e durante parte da manhã, os três insistiram, vigorosamente, no direito de receber respostas de ninguém menos que o comandante do centro de operações local da Força Aérea.

E é isso o que acontece.

Recebendo-os em um dos poucos espaços ainda não ocupados da estrutura criada para receber os afetados pelo vírus em Montgomery, McGillicuddy é de um pragmatismo cortante.

– Eu sei quem é Kenneth Lambard, e aqui dentro ele opera sob minhas regras. Mas ele não está aqui; não tenho a pretensão de saber para onde foi, nem me cabe ter essa informação. Vocês querem respostas? As pessoas que estão aqui querem viver. Por que acham que minhas energias, ou as de qualquer outro, deveriam estar concentradas nas suas necessidades? Eu vi do que são capazes. Nós ainda não tivemos tempo de enterrar os soldados que morreram protegendo essa base. E eu digo que não vou fazer o menor esforço, não vou sacrificar um único homem, para mantê-los aqui. Se acreditam que não vão prejudicar ninguém, ou que qualquer benefício que tenham fora daqui supera o eventual mal que possam causar, partam. Não será por ordem minha que alguém os impedirá.

Tuskegee

O retorno ao Hospital do Alabama para Veteranos – Tuskegee revela um cenário tão sombrio quanto aquele que deixaram para trás cinco dias antes. Vazio, silencioso, aguardando por algo que provavelmente nunca chegará. Não fossem as pichações e vidros quebrados, a estrutura sólida do prédio não registraria nenhuma dos momentos extraordinários que ali se deram recentemente.

Depois de vencer em vôo a distância de 50 quilômetros entre Montgomery e Tuskegee, os poderes de Conley mais uma vez se mostram úteis, corrompendo as travas que não permitiam ao elevador atingir o subsolo sem o código apropriado.

Lá, no laboratório, fazem uma grande varredura, carregando todo o material que possa conter algum registro útil sobre o seu passado. Quase sem perceber, voltam a tratar-se como Delta, November e Nathan Jones.

A parada seguinte é na Igreja da Divina Inspiração, onde o reverendo Thomas Jones encerra um sermão:

– Contemplem os fatos maravilhosos produzidos em Montgomery, nossa cidade vizinha. Sim, não se espantem. Digo que são maravilhosos. É verdade que muitos morreram, e outros tantos sofrem. Mas não esqueçam das notícias sobre pessoas produzindo feitos sob inspiração divina. Deus está enviando uma prova de que, mesmo em meio ao mal produzido pelo homem, é capaz de apontar aqueles que merecem o Seu perdão, e a Sua graça.

Ao final da celebração, em companhia de Delta, November e Nathan, o reverendo Jones manifesta sua preocupação. Temia que os três tivessem se dirigido a Montgomery e sido colhidos pelo caos instaurado na cidade. Diante da situação difícil em que se encontram, o homem lhes oferece um local para passar a noite.

04/07/2008 – 6º Dia

Epílogo

A agitação de outras pessoas abrigada na Igreja da Divina Inspiração os desperta. Estão todos diante da TV, em visível comoção:

– Ainda não foi possível esclarecer o significado das imagens que estamos apresentando. Elas foram captadas há algumas horas por cinegrafistas amadores que acompanhavam as festividades do Dia da Independência no Central Park, em Nova Iorque. O que se pode ver é o que parece ser uma pessoa pairando sobre a multidão. As notícias que recebemos da Defesa Civil estimam em dezenas de milhares os mortos na região do Central Park. A maioria deles, vítima do mesmo tipo de substância usado no ataque contra Montgomery. Muitas pessoas teriam sido vítimas do caos subseqüente. Nova Iorque está sob Estado de Emergência. Em breve, esperamos ter maiores informações sobre esse evento catastrófico e sem precedentes na história.

Resumo da Campanha Cartas Selvagens, que utiliza o sistema de regras do livro Mutantes & Malfeitores, da Green Ronin/Jambô.
Narrador: Carlos Hentges
Nathan Jones / David Anderson: Gói
November / Jason Walker: Luiz
Delta / Steve Conley: Brunetto

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: