The Truth's For Sale

Cartas Selvagens II – Infestação

Posted in Mutantes&Malfeitores, RPG by Carlos Hentges on 24/07/2008

No capítulo anterior:

– Os personagens despertam no subsolo do Hospital do Alabama para Veteranos, em Tuskegee. Seus corpos estão cheios de cicatrizes e sua memória, em branco.

– Ao deixar o local, se deparam com uma multidão protestando no estacionamento do hospital. A manifestação é dispersa pela chegada do Exército.

– No dia seguinte, entram em contato com o reverendo Thomas Jones. Ele explica que, no passado, o Hospital do Alabama para Veteranos foi palco de uma experiência a respeito de sífilis que envolveu cobaias humanas.

– Após um confronto com soldados, que deixou dois mortos e inúmeras testemunhas, os personagens decidem buscar mais respostas em Montgomery, capital do Alabama.

30/06/2008 – 2º Dia

Road Horror Show

A primeira crise de Delta faz com que o carro estremeça. November encosta o veículo enquanto Nathan questiona se o companheiro passa bem. A resposta é outro grito de agonia. Mas o som não é apenas de sua voz estrangulada. Metal se retorce e vidro se parte enquanto a caminhonete lentamente torna-se algo semelhante a papel amassado.

Os três saem a tempo de ver o veículo ser retorcido e compactado até ficar pouco maior do que uma geladeira. A dor vai embora, mas Delta ainda não se sente bem. Intrigado, Nathan carrega o que sobrou da caminhonete até além do início do bosque que os cerca. Mesmo em uma estrada vicinal entre Tuskegee e Montgomery, não lhes interessa deixar rastros óbvios.

Em seguida, ele se dirige à beira da estrada e espera a aparição de um carro que possa resultar em carona. Enquanto November permanece em silêncio, Delta manipula mentalmente pequenos pedaços de metal que soltaram-se do carro destruído. A nova capacidade o intriga. E todas as anteriores, aparentemente, desapareceram.

Demora cerca de vinte minutos até que alguém apareça. Após reduzir, o condutor é intimidado pela aparência de Nathan, e concorda em permitir que entrem. Passam-se alguns segundos, e o homem simplesmente não dá a partida no veículo. Nathan percebe que ele está rígido, com toda a musculatura contraída. Seus ouvidos sagram. E o nariz. E os olhos. Os três deixam o carro imediatamente. Observando pelos vidros, vêem o homem gritar e explodir. Sangue, órgãos e tudo o mais se espalham pelo interior em uma cena chocante.

Atônitos, Nathan e Delta culpam November. O acusado se defende, afirmando estar tão surpreso quanto eles. A tensão é quebrada pela aproximação de outro veículo, na direção oposta. Quem sabe percebendo a existência de algo estranho no ar, o condutor acelera, mas pára centenas de metros adiante.

Quando Nathan se aproxima, percebe uma poça de plasma, pele e cabelo escorrendo pelo banco. Seja lá o que for, aconteceu novamente.

Diante da situação bizarra, os três decidem separar-se. November, ofendido pelas acusações e com planos próprios, pretende voltar até Tuskegee levando os prontuários médicos do grupo. Nathan e Delta, por sua vez, rumarão até a Base Aérea de Maxwell-Gunter, em Montgomery, onde existe outro hospital para veteranos. Quem sabe lá, e com o hard disk recuperado em Tuskegee, consigam algumas respostas.

Rancho Kent

Nathan e Delta rumam na direção do bosque, evitando qualquer novo encontro infeliz na estrada. Nathan, graças ao seu vigor, imprime um ritmo acelerado. Delta tem dificuldade para acompanhá-lo, ao menos até o momento em que não precisa mais tocar o solo para “correr”. Voando, ultrapassa o companheiro e o carrega por entre as árvores, em velocidade cada vez maior. Sua trajetória é apenas interrompida pela impossibilidade de manobra. O choque contra o tronco de uma árvore não o machuca, mas convence de que os próprios pés são a maneira mais confiável de locomoção, ao menos até a nova capacidade ser mais bem desenvolvida.

Depois de algumas horas de deslocamento, chegam a um pequeno rancho. Entrando no local para solicitar abrigo, são recebidos por cães mais curiosos do que agressivos. O dono se apresenta em seguida. Jonathan Kent se sensibiliza pela condição dos misteriosos visitantes noturnos, e admite que permaneçam em seu celeiro.

Mais tarde, vai até o local para oferecer-lhes uma refeição. Sua sensibilidade lhe diz para não fazer muitas perguntas aos estranhos. Em uma conversa informal, recorda seus tempos como sargento do Exército. Antes que complete a última sentença, um jorro de sangue é expelido de sua boca. Nathan o segura, mas sente sua pele do fazendeiro descolando dos braços enquanto todos os tecidos do corpo degeneram.

Enojados, ele e Delta deixam o celeiro. O barulho chama a atenção de Martha Kent. Ao se aproximar, ela mal tem tempo para entender o lamentável destino de Jonathan. Após um ganido, une-se ao esposo em uma sopa de plasma miasmático.

Delta, que imaginava estar sendo seguido pelo “Quarto Homem” – assim ele chama o ocupante desconhecido do quarto no subsolo do Hospital do Alabama para Veteranos -, começa a ficar paranóico. Por um instante, se aproxima dos cães. Espera que derretam, virem do avesso ou sofram qualquer outra morte súbita e horrível. Indiferentes, limitam-se a latir.

Homem-Bomba

Demora cerca de uma hora até que November consiga uma carona. Pouco antes do anoitecer um fazendeiro a caminho de Tuskegee lhe oferece ajuda. Dizendo-se ferido, ele arranja a desculpa necessária para o silêncio que barra as possíveis perguntas do condutor. Ao chegar à cidade, November usa sua capacidade mental para tomar o carro e fazer com que o proprietário se dirija à casa dos parentes que pretendia visitar.

Ao entrar na estrada que leva até o Hospital do Alabama para Veteranos, percebe uma barreira. Soldados com armas e lanternas verificam todos os carros. Quando chega a sua vez, o oficial ilumina o carro e descobre o condutor coberto de explosivos. Enquanto ele recua, November deixa o carro e grita pelo tenente Robinson.

O grupo de seis soldados, a maioria deles muito jovem, hesita diante da situação. Concordam em chamar o tenente, mas afirmam que não permitirão que November deixe o local. Os dez minutos até a chegada do oficial superior são extremamente tensos.

Robinson chega e ordena que os demais soldados se afastem. Quais são as exigências? November quer ir até o hospital. Ele se surpreende ao perceber que o tenente parece nada saber a respeito do subsolo do prédio.

Para provar que algo sério está em andamento, November cancela a ilusão de que carregava explosivos e um detonador. Nesse momento, o condicionamento do militar fala mais alto, e apesar de não compreender o ocorrido, parte para imobilizar o terrorista. November escapa e se afasta, mas se vê sob a mira de fuzis. Antes de ser alvejado, cria uma falsa explosão do carro em que chegou. Os soldados vêem a luz e sentem a onda de calor, mas não percebem que o golpe de vento não afeta suas roupas ou os demais objetos à sua volta.

Quando deixam seus abrigos, November usa sua capacidade de controle mental para convencer Robinson a levá-lo ao hospital. Incapaz de resistir, o tenente toma um jipe e deixa para trás um grupo estarrecido de soldados.

No caminho, o controle mental se quebra. Robinson se encontra incapaz de negar a experiência notável pela qual passou, e concorda em levar November até o hospital. Chegando ao local, percebe a movimentação de um grupo de cerca de 20 soldados. Ao que parece, a presença do Exército tem o caráter exclusivamente de barrar o acesso ao centro de saúde.

Já dentro do prédio, November é encaminhado até uma enfermaria, onde pode trocar de roupas e descansar. Um soldado recebe ordens para atirar no prisioneiro caso qualquer coisa estranha aconteça.

Mais tarde, o tenente Robinson retorna. Senta em uma das camas e afirma, em tom grave, que perdeu dois homens naquela tarde. E que testemunhas relataram eventos impossíveis. Entretanto, a escala do impossível parece ter sido rebaixada sem aviso. O que November sabe a respeito? Sabe tudo, mas pouco pode explicar sem alertar a aguçada sensibilidade do militar para a mentira. Eram seus amigos os outros dois ou não eram? Você estava com eles? Por que matou os soldados, se queria realmente se entregar mais tarde?

Reconhecido por um dos sobreviventes do confronto, e incapaz de responder à torrente de indagações, November afirma que foi um acidente, que seus poderes ilusórios não podem matar. Diante da resposta, enfurecido, Robinson o toma pelo braço e carrega até uma sala do necrotério, onde dois corpos jazem sobre o metal frio.

Isso parece uma ilusão para você? As famílias desses homens vão acreditar que a morte de seus filhos é uma ilusão?

Trancado em uma sala no terceiro andar do hospital, November tem muito tempo para pensar nas respostas.

01/07/2008 – 3º Dia

Disseminação

Nathan é o primeiro a perceber a aproximação do utilitário da polícia. Nesse momento, ele e Delta já haviam vasculhado a casa, tomado algum dinheiro e frustrado as expectativas de ligar Martha e Jonathan Kent ao Hospital do Alabama para Veteranos. Na esperança de que a informação possa ser importante, Delta leva consigo uma foto de Jonathan com seu filho, Clark, pouco antes do jovem sargento partir ao Iraque.

Ambos deixam a residência por uma saída dos fundos. Enquanto Nathan se esconde na plantação de algodão, Delta contorna a casa para observar a movimentação da polícia. Dois homens, com um papel nas mãos, batem repetidas vezes na porta. Enquanto um deles verifica que o carro da família está na garagem, o outro se dirige ao celeiro. Antes que a terrível descoberta ocorra, Nathan e Delta partem.

Caminham toda a manhã até avistar o perímetro urbano de Montgomery. Na primeira oportunidade que aparece, rumam até uma lanhouse, onde esperam verificar o conteúdo do hard disk recuperado do subsolo do Hospital do Alabama para Veteranos.

Enquanto Nathan aguarda que o proprietário retorne, Delta se dirige a um dos computadores para procurar se alguma notícia deu conta dos eventos recentes em Tuskegee. Antes que consiga completar a conexão, todas as vinte pessoas presentes na loja morrem. Sangue se espalha em todas as direções, pintando o teto e lavando o chão.

Nathan parte da direção de uma parede e a derruba com um encontrão. Seguido por Delta, tem a visão mais horrível de sua vida, quando as pessoas que transitam começam a morrer de formas repulsivas. Carros se chocam, sangue se acumula. Centenas são transformados em um caldo amorfo instantaneamente.

Sem saber o que fazer, Delta voa para longe, levando Nathan consigo.

O Monólogo do Capitão Lambard

– Olá. Espero que me desculpe pela truculência de meus associados. Entenda essa venda como uma necessidade. Eu sou o capitão Lambard.
– Sim, é claro. Espero manter as minhas faculdades mentais ao longo dessa conversa.
– Seu nome é November. É tudo que lhe direi a respeito disso.
– Claro que posso ser objetivo. Sejamos os dois. Onde estão os seus companheiros?
– Amigos ou não, pouco me importa.
– Você, um soldado? Espero que seu objetivo com isso seja a ironia. Você não é um soldado, quanto mais uma pessoa. É apenas a prova da resistência irritante da escória. E pertence a mim e a meus associados.
– O que tem as suas capacidades? Elas o fazem especial? Mostre-me como?
– Mostre-me!
– Não funcionam? A venda tem um propósito maior do que não permitir que saiba quem sou, November. Percebe como o conheço mais do que você mesmo?
– É por isso que encontrarei seus companheiros, como o fiz com você.
– Entregou-se? Não, você desistiu. E foi capturado. Não suportou a liberdade, e voltou para ser confinado. Os seus amigos farão o mesmo. As minhas queridas cobaias voltarão todas para casa.
– Adeus!
– O quê? Quer saber o seu nome? Dizem que os pacientes comatosos podem ouvir. Assim que você voltar ao laboratório, prometo sussurrá-lo em seus ouvidos.
– Adeus. Não nos veremos novamente!

A Base Aérea Maxwell-Gunter

Delta, levando Nathan consigo, pousa a centenas de metros da Base Aérea Maxwell-Gunter. Ao vê-los se aproximar, um dos guardas responsáveis pelo portão de acesso solicita que parem. A aproximação de Nathan revela as manchas de sangue seco em seu corpo, colocando o soldado em alerta. De arma em punho, ordena que parem. Antes que possa ouvir uma resposta, nada dele resta.

Nathan e Delta avançam através da entrada até um grande pátio. Carros estacionados adiante e um prédio de aparência antiga e imponente podem ser avistados. Mas adiante, um grupo se exercita em uma pista atlética. O som de aviões e helicópteros é constante.

A presença dos intrusos logo resulta em um alerta. Antes que possam chegar até o prédio principal, um grupo de homens se aproxima. Seu destino é tão terrível quando o de todos os outros que antes fizeram o mesmo.

Não demora até que uma sirene de alerta soe por toda a base. Dois destacamentos de soldados tentam cercar Nathan e Delta. O primeiro dá um longo salto e ergue um automóvel, usando-o como escudo assim que os projéteis cortam o ar. Utilizando seu poder magnético, Delta repele a munição dos fuzis e fica incólume. Por meio do mesmo poder, arranca as armas de todos os soldados.

Decididos a entregar-se, ambos se aproximam em atitude pacífica. Acabam com um semicirculo armado à sua frente. A situação deixa Delta nervoso, que tenta arrancar o fuzil do homem que parece liderar os soldados. O poder magnético falha, e o tranco faz a arma disparar. Em resposta reflexa, os soldados agem como um pelotão de fuzilamento. Os projeteis não os ferem, mas antes que possam fazer algo, todos os soldados morrem subitamente.

À exceção de um deles.

Nathan se aproxima, e quando toca o sobrevivente, percebe a rigidez antinatural de sua pele. Prontamente, ele ergue o homem e o arremessa na direção do prédio principal, o que produz um rombo com três metros de diâmetro. Enquanto isso, Delta percebe a aproximação de dois helicópteros de combate.

Voando até onde o soldado foi arremessado, o encontra confuso e ileso em meio a escombros. Delta grita algo que o homem não entende. Nathan, por sua vez, salta na direção de um dos helicópteros e parte a metralhadora com as mãos, ordenando que a aeronave seja pousada. Diante das negativas, ataca os soldados e destrói o equipamento, o que resulta em uma violenta queda.

Ao retornar ao campo de batalha em que se transformou o pátio da base aérea, Delta é atingido por uma rajada de metralhadora. Os projéteis são rápidos demais para serem completamente detidos pela sua repulsão magnética, e o impacto o atordoa a arremessa no chão.

Acreditando que seu companheiro tenha sido morto, Nathan salta para alcançar a aeronave, mas calcula mal a distância. Recuperado do impacto, Delta acelera a toda sua velocidade na direção do helicóptero. O choque desestabiliza a máquina, mas produz um resultado terrível. A capacidade plena de vôo de Delta está muito além de qualquer expectativa, e a colisão quebra os ossos de seu ombro e braço direitos, além de diversas costelas.

Não demora até que o equipamento saia completamente do controle. Os ocupantes estão mortos. É Delta quem está transmitindo o que está matando a todos. Mal completa o raciocínio, Nathan salta na direção do helicóptero e detém sua queda. Ao tirar Delta das ferragens, percebe imediatamente a gravidade dos ferimentos.

Com o companheiro à beira da morte, ele se entrega aos soldados, deixando-se prender para que salvem sua vida.

Epílogo

November desperta. Está vendado e preso a uma cama pelos braços e tronco. Ao longe, ouve a voz de diversas pessoas. Existe tensão na conversa. Discutem. Se perguntam se poderão, ou se devem, salvar um paciente. Uma cirurgia está em curso. Entretanto, logo tudo volta a ser silêncio.

Resumo da Campanha Cartas Selvagens, que utiliza o sistema de regras do livro Mutantes & Malfeitores, da Green Ronin/Jambô.
Narrador: Carlos Hentges
Delta: Brunetto
Nathan: Gói
November: Luiz

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: