The Truth's For Sale

Blood Street Blues – Capítulo 15 – O Fim

Posted in CyberPunk 2.0.2.0., RPG by Carlos Hentges on 25/03/2008

Onde se encerra esta pequena história a respeito de violência, corrupção e moral.

CENA 01 – Fuga do Parque

Após o pouso forçado do AV-4 em uma clareira ao norte de Lake Park, Brujo e Petrelli avançam, buscando deixar o local o mais rápido possível. São acompanhados por Seamus, solo que fazia a segurança de Sakuya Ado no malfadado encontro em Ilha Isadora. Enquanto ele busca contatar o centro de operações da Arasaka para solicitar resgate, o atravessador e o policial vasculham a escuridão para saber se são perseguidos. Fachos de luz confirmam a suspeita. Seamus não tem melhores notícias. Já existe uma equipe da corporação nas imediações. Seus possíveis salvadores são seus prováveis assassinos.

Posicionando-se para emboscar a van que se aproxima, o trio não tem dúvidas de que enfrentará forte resistência. O primeiro disparo é de Brujo. A pistola pesada perfura o pára-brisa, mas não atinge o condutor. Alertados, os três ocupantes deixam o veículo sob o fogo dos fuzis de Seamus e Petrelli. Confiantes na proteção oferecida pela Metal Gear, avançam na direção de Seamus, que efetua a maior quantidade de disparos. Petrelli aproveita a situação para surpreender um dos soldados e disparar à queima-roupa no pescoço. Brujo, ciente de que sua pistola não venceria a blindagem dos soldados, se aproxima, sorrateiro, da van.

Enquanto Seamus mantém os dois solos remanescentes ocupados, Petrelli recolhe granadas de gás encontradas na van. De posse de um fuzil automático, Brujo se posiciona para disparar. O atravessador, porém, revela a falta de habilidade no manejo da arma, e a longa rajada apenas serve para denunciar sua posição. Alertados sobre a presença de mais dois alvos, os solos da Arasaka respondem ao fogo. Brujo é atingido no rosto, caindo inconsciente e às portas da morte. Testemunhando a cena, Petrelli combina granadas de gás e disparos de fuzil para sobrepujar os solos. Era o fim da luta, mas o saldo não podia ser considerado positivo.

CENA 02 – Negociação Arriscada

Chegar ao prédio da Arasaka no Centro Corporativo pouco faz para acalmar Petrelli, mesmo diante da certeza que essa pode ser a única chance de salvar a vida de Brujo. O policial espera que, mesmo diante das circunstâncias adversas, o contato de Ichiro Suzuki seja bom o bastante. Enquanto o atravessador passa por uma avaliação médica inicial, Petrelli dirige-se ao 63º andar.

Ichiro Suzuki, um oriental extremamente simpático aparentando cerca de 50 anos, o recebe em uma sala ampla. Escoltado por um segurança, ele informa que “o homem conhecido como Vinnie Ciccione” é seu subordinado. Trata-se de um operativo da Arasaka “plantado” na Máfia desde o fim da guerra entre as corporações e o crime organizado, dez anos atrás. Infelizmente, Ciccione confundiu suas funções e passou a agir segundo interesses que contrariam os planos da Arasaka. Precisa ser neutralizado, portanto.

Suzuki aparenta conhecer o histórico recente de Petrelli o bastante para deixar claro que a recompensa pela eliminação da base de poder de Ciccione seria uma posição de destaque na nova configuração das forças policiais de Night City sob o comando da Arasaka. O policial aceita a tarefa, escudando sua moral com inúmeras desculpas: a vida de Brujo depende do tratamento que – nesse momento – apenas a corporação pode fornecer, Ciccione é um câncer que o ameaça há tempo e, por fim, em seu íntimo, o policial acredita ser um inocente colocado diante da possibilidade de livrar-se de falsas acusações e retomar seu trabalho.

CENA 03 – Depósito de Fé

Dali a três dias a Máfia se reuniria na Igreja Holy Angels para a cerimônia em homenagem aos 20 anos de falecimento de Clarice Bonnano, esposa de Joseph Bonnano, chefe da organização. Petrelli precisa de Brujo para o serviço, e ele levará o dobro do tempo se recuperando, pelo menos. Seria preciso adiar a celebração em uma semana. Por conta dessa necessidade, o policial gentilmente conduz o padre Kevin até o confessionário para uma conversa reservada. Intimidando o pároco com violência, afirma que se a cerimônia não for adiada pelo tempo necessário, a igreja vai arder. Em pânico, mas ciente das conseqüências de negociar a data com Bonnano, Kevin suplica. O deus de Petrelli, porém, não conhece misericórdia. Renovando ameaças, deixa o templo certo de que sua mensagem encontrou um fiel.

O encontro seguinte é com o sargento William “Bill” Duke. Desde a conversa que tiveram no Centro Médico de Crise, as desconfianças mútuas ficaram para trás. A ponto de Petrelli confiar ao superior parte do conteúdo da conversa com Suzuki. Sem apresentar detalhes, ele afirma que um contato na Arasaka solicitou um serviço que ele não está disposto a realizar. Interessado, o sargento revela que o NCPD de Little Italy tem duas confissões assinadas. Homens que se passaram por membros de gangue sob ordens da Arasaka. Peixes pequenos. Petrelli precisa fazer com que Suzuki admita sua participação e da corporação que representa nas atividades que resultaram em crimes diversos.

CENA 04 – Interlúdio

Nos dias seguintes, Petrelli mantém sua rotina de não ficar muito tempo em nenhum local. A necessidade paranóica de ocultação, porém, devora todas as suas últimas reservas financeiras, a ponto de ele solicitar recursos para o seu contato “invisível” na Arasaka. O retorno é negativo, pois “as promessas de premiação dependem do cumprimento de acordos”.

CENA 05 – Burn your local Church

Se o que a Arasaka precisa é que a Máfia deixe de existir, é isso que a Arasaka vai ter. O raciocínio é concebido por Petrelli e Brujo, este último exultante por deixar o centro de atendimento de urgência da empresa logo após oito dias e uma breve conversa com Ichiro Suzuki, onde os termos principais do acordo com Petrelli foram reforçados.

De posse do equipamento deixado pela corporação em uma rodoviária, os dois planejam o fim da Máfia de Night City. Adquirindo uma grande quantidade de flores naturais e grandes vasos, acomodam cargas de explosivos. Disfarçado, Brujo faz a entrega na Igreja Holy Angels algumas horas antes da cerimônia em homenagem a Clarice Bonnano. Os vasos são posicionados próximos as primeiras filas de bancos.

No telhado de um prédio próximo, em companhia do detonador e um fuzil de assalto, Petrelli aguarda. Aos poucos, carros luxuosos deixam homens distintos em frente ao templo. Pelo menos vinte seguranças se espalham pelas imediações. O policial testemunha a calorosa recepção que Joseph Bonnano recebe do padre Kevin. E também confirma a presença de Vinnie Ciccione.

A detonação ocorre meia-hora após o início da celebração. Seguranças correm na direção das portas da igreja. Nesse momento, Petrelli arremessa a primeira granada. Os poucos presentes que tentavam fugir do fogo e da fumaça são engolfados pela explosão. O segundo alvo são os carros, destruídos em uma explosão em cadeia que enche o céu de fumaça negra. Certo de que os explosivos deram conta das primeiras fileiras, onde estava a cúpula da Máfia, Petrelli se posiciona com o fuzil. Não demora a localizar Ciccione, que está parcialmente protegido pela multidão aos gritos na frente do templo destruído. A cobertura, porém, não esconde sua cabeça, alvo mais do que suficiente para um atirador experimentado a 60 metros de distância. Ciccione is no more.

CENA 06 – Enganados

Dois dias se passam sem que a Arasaka faça contato com Brujo e Petrelli. O nervosismo de ambos cresce, na medida em que se vêem sem dinheiro e aliados. Buscando um encontro que possa permitir uma confissão de Suzuki, conseguem apenas uma reunião informal com Moss, o contato até então sem nome que lhes entregou armas para a última operação.

Ele parece pouco receptivo aos pedidos dos dois, que defendem já ter cumprido sua parte do acordo. Segundo Moss, a aquisição do NCPD ainda deve levar algum tempo, mesmo diante da posição favorável do Conselho Municipal. Após os entraves burocráticos serem superados, ambos receberão aquilo que lhes é devido. Diante do visível desespero de Petrelli e Brujo, Moss faz um novo pedido. Todo o processo que citou pode ser acelerado se dois membros do grupo que estuda a transição do controle do NCPD da Prefeitura para a Arasaka forem eliminados: William Duke e Lisa Pondsmith.

CENA 07 – O Destino de Duke e Pondsmith

Se morrer é o preço para impedir a privatização do NCPD e pegar a Arasaka, o sargento Duke está disposto ao sacrifício. Claro que a morte não precisa ser real. Basta ser realista. Para confundir a imprensa e as autoridades, é preciso tempo antes da identificação dos cadáveres. E isso se consegue através de incineração. Duke sugere que ele e Pondsmith sejam vítimas de um atentado à bomba. Enquanto ele se compromete a convencer a capitã da necessidade de participar da farsa, Petrelli e Brujo se encarregam de conseguir dois cadáveres. O tempo é curto, e a operação exige diligência.

O conhecimento que Petrelli detém a respeito dos procedimentos do NCPD e o auxílio de Duke permite que cumpram a primeira parte da tarefa com tranqüilidade. O restante é igualmente simples. Conduzindo uma ambulância, Petrelli e Brujo se posicionam próximo do Conselho Municipal. Naquela noite se realiza o encontro derradeiro para tratar da questão NCPD – Arasaka. Aproveitando a pouca movimentação no estacionamento, o policial e o atravessador carregam os cadáveres até o carro em que Duke e Pondsmith chegaram. Após instalar um pequeno explosivo, deixam o local. Cerca de 20 minutos após o encerramento da reunião, detonam o dispositivo. A capitã e o sargento “estão mortos”.

CENA 08 – Encontro Derradeiro

Diante da notícias das mortes de Lisa Pondsmith e William Duke, Ichiro Suzuki concorda em encontrar Petrelli e Brujo para negociar suas reivindicações. Os dois são pegos por um AV-4 com três homens em um estacionamento, e conduzidos até uma fábrica abandonada em Upper Marina. Lá, em outro AV-4, estão Suzuki e mais dois homens. Cercados pelos seguranças, os três retomam pontos da sua última conversa.

Exultante com o sucesso de Petrelli e Brujo, o homem da Arasaka concorda em ceder a Petrelli um posto na futura polícia privada de Night City. Brujo será o homem da empresa nas ruas, já que o submundo apresenta uma série de possibilidades de negócio que não podem ser ignoradas. Todo o diálogo é registrado pelo olho cibernético de Petrelli, que reúne mais informações do que o necessário para atender às expectativas de Duke.

No momento da despedida, porém, a surpresa: Suzuki conhece as capacidades do dispositivo tecnológico que substitui o olho do policial. Estendendo a mão, ele exige que o chip de dados lhe seja entregue. Enquanto avalia a movimentação dos guardas, aparentemente desarmados, o policial nega ter realizado a gravação. Diante da resistência, Suzuki ordena que os guardas o dominem.

Agindo com rapidez, Petrelli domina um dos guardas com tamanha violência que quebra o seu braço. Ao mesmo tempo, toma sua arma do coldre e atinge dois alvos. Os guardas restantes respondem ao fogo, mas apenas atingem o companheiro que serve de escudo ao policial. Mais dois disparos, e mais duas mortes. Antes que Suzuki consiga fugir, Brujo usa a arma de um dos cadáveres para atingir sua perna.

Carregado até o AV-4, o executivo da Arasaka é conduzido ao NCPD, onde Pondsmith e Duke esperam por ele.

Epílogo

Durante algum tempo, Ichiro Suzuki confiou no poder da Arasaka para contornar a situação. Mas as gravações de Petrelli e os testemunhos de homens presos pelo NCPD foram o bastante para que ele percebesse que não tinha saída. Muita sujeira veio à tona. O bastante para que o processo de aquisição do Departamento de Polícia de Night City fosse congelado por tempo indeterminado.

A Arasaka continua sendo uma força poderosa em Night City, mas recolheu suas garras para lamber as feridas, pelo menos por enquanto.

Petrelli, que durante muito tempo viveu além da linha da lei, teve as acusações contra ele retiradas, e foi promovido.

Brujo, que sempre esteve à margem da lei, se tornou consultor do NCPD na Unidade de Combate a Gangues.

Petrelli e Brujo formam uma das principais armas no combate ao crime que assola as ruas encharcadas de sangue em Night City.

Ninguém sabe dizer por quanto tempo isso irá funcionar.

Fim!

Resumo da campanha de RPG Blood Street Blues, que utilizou como sistema de regras e cenário o conteúdo apresentado nos livros CyberPunk 2.0.2.0. e Night City.
Narrador: Carlos Hentges
Jogador: Peter Petrelli – Filipe Brunetto
Jogador: Danny ‘El Brujo’ Trejo – Carlos Alexandre Fedrigo

Anúncios

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Filósofo de Boteco said, on 25/03/2008 at 20:21

    Cara, curti a estória, mas peguei o bonde andando…vou ler o começo aos pouquinhos


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: